Fornecimento de cloreto de potássio fica ainda mais ameaçado com tensões se agravando na Bielorrússia

A crise no mercado de fertilizantes continua mostrando seus desdobramentos neste início de 2022 e como antecipado ao Notícias Agrícolas pelo analista Jeferson Souza, da Agrinvest Commodities, um dos principais pontos de atenção se dá sobre o cloreto de potássio. Os problemas geopolíticos envolvendo a Bielorrússia seguem se intensificando e algumas sanções previstas para janeiro começam a ser colocadas em prática, o que pode comprometer o fornecimento – e os preços – do KCl. 

Nesta semana, a Yara Fertilizantes divulgou uma nota oficial afirmando que encerra quaisquer relações comerciais com a Bielorrússia, concluindo suas atividades no país e, consequentemente, diminuindo a oferta global do fertilizante. 

Mina de Potássio
Mina de Potássio – Foto: Andrey Rudakov/Bloomberg

“A Yara está comprometida em cumprir todas as leis e regulamentos aplicáveis, incluindo sanções. Embora o fornecimento da Yara da Bielorrússia esteja em total conformidade com as sanções aplicáveis, outras partes da cadeia de suprimentos estão retirando os serviços essenciais necessários para permitir as exportações de potássio da Bielorrússia, como resultado do que a Yara iniciou uma redução nas atividades de fornecimento. Espera-se que a liquidação seja concluída em 1º de abril de 2022. A Yara continuará monitorando quaisquer mudanças na situação, incluindo sanções, como parte de suas operações de fornecimento em andamento”, diz a nota oficial da empresa. 

>> Clique AQUI e leia a íntegra da nota, em inglês, no site da Yara

Na sequência, a notícia era de que a Bielorrússia estaria perdendo uma importante rota de transporte de cloreto de potássio, trazendo mais um entrave ao fornecimento deste fertilizantes, podendo elevar ainda mais seus preços e, consequentemente, os custos de produção no campo. 

De acordo com a Bloomberg, o ministro dos Transportes bielorrusso, Marius Skuodis, afirmou que a Lituânia encerra em 1º de fevereiro o contratos entre as Ferrovias da Lituânia e a estatal Belaruskali OAO. A medida faz parte das ações tomadas pelos Estados Unidos – e seus aliados – para intensificar as pressões sobre o presidente Alexander Lukashenko sobre as eleições presidenciais do país, e o potássio é um dos focos da questão política. 

As exportações de cloreto de potássio são muito importantes para a economia local. A Bielorrússia, ainda como informou a agência internacional de notícias, embarcou 12 milhões de toneladas de KCl por ano pelo porto de Klaipeda para os mercados internacionais, o que contou com grande contribuição das ferrovias lituanas.

“A decisão é significativa, pois afeta os embarques da Bielorrússia para a Ásia, incluindo Índia e China’, disse Elena Sakhnova, analista da empresa VTB à Bloomberg. Para outros mercados, porém, a situação pode ser ainda mais severa. Em dezembro último, diante desses entraves no fornecimento e de mais fundamentos que elevaram os preços dos fertilizantes, o valor do cloreto de potássio no Brasil alcançaram expressivos US$ 780,00 por tonelada, alcançando um valor recorde. 

O Brasil é o segundo maior consumidor mundial deste produto. Até novembro de 2021, ainda como explica Jeferson Souza, a Bielorrússia já havia exportado para o Brasil cerca de 2,2 milhões de toneladas de cloreto, praticamente o mesmo volume observado no período em questão de 2020. As alternativas têm sido o Canadá e a Rússia, “que aumentaram significativamente as exportações, absorvendo o aumendo da demanda de KCl no mercado interno brasileiro”, diz o analista. 

Origens do KCl
Gráfico: Agrinvest Commodities

“As incertezas ainda são inúmeras quanto ao fornecimento e também preços para a próxima safra”, complementa o especialista. Em sua entrevista ao Notícias Agrícolas nesta semana, Souza mostrou que as relações de troca para a soja 2022/23 do Brasil tiveram uma ligeira melhora para o produtor diante da valorização da oleaginosa, porém, ainda seguem mantidas em patamares historicamente elevados.

Reveja:

+ Últimas altas da soja melhoraram relação de troca com fertilizantes, mas custo segue elevado e sem sinais de arrefecimento para os adubos

No caso do KCl, as relações de troca chegaram a mostrar uma baixa de praticamente duas sacas – como mostra o gráfico abaixo – mas ainda assim segue 144% maior do que no mesmo período do ano passado. 

WhatsApp Image 2022-01-05 at 13.41.24
Gráfico: Agrinvest Commodities

Fonte: Site Notícias Agrícolas | Data da publicação: 14/01/2022

Deixe uma resposta