Custo de Produção sobe 22% em Mato Grosso, mas alta dos preços viabiliza a safra

A alta do custo de produção da soja para a safra 2021/2022 deixou muitos produtores preocupados. De acordo com dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), o custo total nesta safra será de R$5.133,06 reais, incluindo o pró-labore, o custo de oportunidade do capital investido e também o custo de arrendamento, valores normalmente não contabilizados pelos produtores. A alta é de 22%, comparativamente à safra 2020/2021.

Ao considerar o custo operacional, sem custo de oportunidade, sem pró-labore e sem arrendamento, já que muitos produtores fazem em área própria, a safra 21/22 registra um custo por hectare de R$3.742,02 reais. Este valor é 18% acima do observado em 20/21, quando foi de R$3.177,58.

A alta dos custos é explicada por inúmeros fatores. Entre os insumos, as sementes registraram a maior alta, 40%. Na sequência, considerando a metodologia do Imea, denominado “fertilizantes e corretivos” registrou alta de 24%. No entanto, deve-se ressaltar que quando o preço dos fertilizantes é analisado de maneira desagregada, como foi apresentado pela Neo Agro Consultoria, com base nos dados da Conab, houve alta de até 80%, a depender do insumo utilizado.

Luciano Vacari, diretor da Neo Agro Consultoria, destaca que se for considerado apenas o custo operacional, sem fatores como pró-labore, o produtor precisa ter uma produtividade mínima de 25 sacas por hectares – supondo a soja sendo vendida a R$ 165 reais, patamares atuais. A perspectiva de produtividade para 21/22, também de acordo com o Imea, é de 57 sacas.

Ao considerar custos que o produtor normalmente não conta, mas que deveriam sim entrar no custo de produção, como o pró-labore, o arrendamento e, principalmente o custo de oportunidade do capital investido é necessário produzir 31 sacas, a R$ 165 cada para a conta fechar. Na safra 2019/2020, considerando os preços médios de setembro, o produtor tinha que vender 52 sacas para pagar o custo total de produção.

Muitos produtores travaram seus preços de venda há meses. Enquanto outros ainda não e talvez venham a realizar a comercialização, a minoria, mais perto da colheita. Por isso, o valor atual é apenas uma referência.

“Ainda assim, considerando apenas custos operacionais ou custos totais, os bons preços da soja, que vem subindo há duas safras, têm compensado a alta significativa dos custos. O preço médio de setembro deste ano está 22% acima do que foi em 2020 e mais do que duas vezes o que era em 2019. A incerteza agora é o clima”, afirma Vacari. Em setembro de 2019, a saca era comercializada a R$ 74,58, em média, e em setembro de 2020 este valor já era R$ 135,09, alta de 81%.

Segundo o diretor, há algumas semanas os produtores começaram a ficar preocupados com o La Nina.  “Este fenômeno poderia reduzir as chuvas em um período muito estratégico da produção. Porém, na semana passada, as perspectivas do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) demonstraram que o fenômeno deve ser pouco intensivo e de curta duração, ainda que exista uma probabilidade de ocorrência de 70%”.

Para o INMET, espera-se que o volume de chuvas para o quarto trimestre para o Centro-Oeste chegue, inclusive, a superar a média histórica. Porém, o Sul do País, São Paulo e Mato Grosso do Sul podem ter médias inferiores.

“A produção agropecuária é muito sazonal. Normalmente, quando os preços sobem, no ano seguinte aumenta a produção. Além da incerteza do clima e a volatilidade cambial, a última perspectiva da Conab aponta para um aumento de quase 4% na produção de soja. O produtor deve ficar atento”, afirma Vacari.

Fonte: Site Notícias Agrícolas | Data da publicação: 29/09/2021

Deixe uma resposta