Conab atualiza custos de produção das culturas de grãos

Já estão atualizados os custos de produção da agricultura empresarial para a pluma de algodão, arroz, feijão, milho, soja, sorgo e trigo – produtos que correspondem a quase totalidade da produção brasileira de grãos. Elaborados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A metodologia empregada no cálculo inclui variáveis relacionadas a operações e insumos utilizados na sistematização do solo, preparo do solo, plantio, tratos culturais, colheita, pós-colheita.

As bases geográficas para o levantamento incluem diversos municípios brasileiros, abrangendo os estados: Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Paraná, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins, além do Distrito Federal, de acordo a produção de cada local. 

As planilhas são publicadas anualmente e disponibilizadas no endereço institucional da Companhia. Porém,  cálculos bimestrais, sempre realizados nos meses ímpares, podem ser conferidos no Portal de Informações Agropecuárias. As buscas podem ser feitas a partir de parâmetros como produto, safra, tecnologia empregada, ano, custos variáveis por UF, município e outros. Todos os dados são públicos e podem ser usados livremente, desde que citada a fonte.

A Conab levanta custos de produção desde os anos 60 e a metodologia vem sendo aprimorada constantemente ao longo dos anos. Em 2020 foi publicada a Instrução Normativa 30.302 com o detalhamento de todos os itens considerados na apuração dos custos de produção, aumentando a transparência no processo. O custo de produção é uma ferramenta de controle e gerenciamento das atividades produtivas e utilizado pelo governo federal como um dos principais parâmetros na elaboração dos preços mínimos, que balizam o planejamento e execução de operações de comercialização, crédito e seguro rural e outras políticas públicas. 

Os dados podem ser acessados no Portal de Informações Agropecuárias e traz culturas como milho, soja, arroz, cevada, café, sorgo e trigo. 

Fonte: Site Agrolink | Data da publicação: 28/02/2022

Deixe uma resposta