5 fatores chave a se observar no mercado do petróleo em 2022 com a recuperação da demanda

2021 foi um ano de recuperação significativa para o mercado de petróleo, tanto do lado da oferta como da demanda, graças à reabertura gradual da economia global, ao processo de vacinação que beneficiou gradualmente o deslocamento das pessoas e a escassez de gás natural, que aumentou a demanda pelo petróleo bruto como um substituto.

Até 30 de dezembro, os preços do petróleo WTI haviam avançado 58,68% no ano, para US$ 76,99 por barril, passando de US$ 48,52 por barril para uma máxima de US$ 85,41 por barril, o maior nível em 7 anos. Enquanto isso, os preços do petróleo Brent acumulavam um ganho de 5313% na mesma data, atingindo US$ 79,32 dólares/barril, ao mesmo tempo em que alcançaram uma máxima de US$ 86,70 dólares/barril a partir de uma mínima de US$ 50,56 dólares/barril.

2022 pode ser o ano “pós-pandemia” para o mercado de petróleo, já que muitos esperam que a procura se recupere para 100% dos níveis pré-Covid. Embora isso seja promissor para os investidores do petróleo, ainda há muita incerteza com a chegada do novo ano.

Aqui estão os 5 principais fatores que podem ser determinantes nas perspectivas do mercado de petróleo em 2022.

1. Condições meteorológicas: Outro inverno rigoroso pode forçar o preço para US$ 100 por barril

O preço do barril de petróleo pode atingir US$ 100 – ou mais – no primeiro trimestre do ano caso haja um clima extremamente frio, como se viu no inverno passado.

Em fevereiro de 2021, o inverno severo causou estragos em partes do sul dos Estados Unidos, deixando pelo menos 24 pessoas mortas e centenas de milhares sem eletricidade, enquanto o aumento súbito da demanda exacerbou a escassez da oferta.

“Embora o preço do WTI provavelmente fique na faixa entre US$ 65 e US$ 90 por barril ao longo do próximo ano, o preço desta fonte de energia pode atingir os US$ 100 por barril durante o primeiro trimestre do ano, caso se confirme um clima extremamente frio, como o visto no inverno passado”, comenta Ana Azuara, gerente de Análise Econômica do Grupo Financiero Base.

2. Nervosismo com novas variantes da Covid ameaçando os mercados

Embora os picos de 2020 já tenham passado, a Covid ainda não acabou. Dois elementos podem continuar a ameaçar o circulação de pessoas e, consequentemente, a demanda por petróleo: o avanço dos processos de vacinação a nível global e o surgimento de novas variantes da Covid.

“Do lado da demanda, espera-se que os receios continuem pelo menos até que a imunidade do rebanho seja alcançada. Estima-se que 70% da população mundial precise estar vacinada para se atingir a imunidade de rebanho. Caso contrário, vamos continuar a ver variantes que podem comprometer a atividade econômica global e a demanda por energia”, disse Azuara.

Para exemplificar o que uma nova variante pode representar, basta olhar para o que aconteceu na última semana de novembro de 2021 com o aparecimento da variante ômicron.

“Nos dias desde 26 de novembro, um total de 56 países implementaram alguma proibição a viagens com vistas a “se defender” da ômicron”, comentou Ellen R. Wald, analista do setor de energia e colunista do Investing.com, em um artigo sobre o assunto.

Novas proibições de viagem podem significar novas restrições à circulação das pessoas e suspensões temporárias de voos, e assim alimentar problemas de demanda para combustíveis e petróleo.

3. O espectro da inflação

A inflação tornou-se uma das questões chave em 2021 e o seu impacto sobre o mercado de petróleo, especialmente nos preços, é uma das preocupações que os investidores estão acompanhando.

Nos Estados Unidos, a inflação acelerou para níveis não observados em quase 40 anos, atingindo 6,8%, o aumento mais rápido desde junho de 1982, de acordo com o índice de preços ao consumidor (IPC); enquanto isso, os preços no atacado do índice de preços ao produtor subiram 9,6%. A preocupação com a escalada dos preços finalmente atingiu o Federal Reserve, que, durante sua última reunião de 2021, em dezembro, compartilhou projeções para três aumentos das taxas de juros em 2022.

“Quando a inflação sobe, há uma força ascendente correspondente sobre o preço do petróleo”, escreveu Wald. “Os produtores de petróleo estão enfrentando custos mais altos para tudo, desde mão de obra até transporte, incluindo peças. Além disso, a quantidade de dólares que conseguem pela venda do petróleo também diminuiu. Portanto, o desejo de vender cada barril de petróleo por mais dólares aumenta, criando uma pressão ascendente sobre o preço do petróleo”.

4. OPEP+ e maior oferta?

Há também receios de que a oferta de petróleo bruto possa aumentar ao longo de 2022, o que, juntamente com os problemas na demanda, poderia prejudicar o mercado da commodity.

“De acordo com a IEA, em média, a produção global de petróleo em 2022 será de 101,41 milhões de barris por dia, 5,46 milhões de barris por dia acima da produção média em 2021. A OPEP continuará aumentando sua produção de petróleo, como já deixou claro, mesmo com o surgimento da nova variante ômicron”, explica Azuara.

A OPEP+ continua otimista em relação às perspectivas para o petróleo em 2022. Na sua mais recente previsão, o cartel previu uma demanda de 99,13 milhões de barris de petróleo por dia no primeiro trimestre de 2022, antes de os níveis pré-pandemia serem atingidos no terceiro trimestre. A OPEP+ considera que a variante ômicron será leve e espera aumentar a oferta ao longo do ano. Isto apesar de a Organização Mundial de Saúde e outros organismos ainda classificarem o risco da ômicron como “muito alto”.

Sem dúvida, esta questão será um fator para determinar a direção dos preços no primeiro trimestre de 2022.

5. Tensões geopolíticas: Rússia vs. Ucrânia e EUA vs. Irã

O mercado petrolífero continuará sendo afetado por outros fatores geopolíticos, que continuarão a representar riscos, incluindo a guerra comercial entre China e Estados Unidos, além da relação política entre os Estados Unidos e o Irã.

A Rússia também é um dos principais atores, especialmente do lado do gás natural, e é capaz de afetar o preço do petróleo.

“A Rússia é atualmente o terceiro maior produtor de petróleo do mundo e pode enfrentar potencialmente algum tipo de sanção sobre o seu petróleo por parte dos Estados Unidos, como resultado de uma ação militar na Europa. (A Rússia também fornece mais de metade do gás natural da União Europeia, e também existem vários gasodutos na Ucrânia). Um conflito envolvendo a Rússia poderia fazer os preços dispararem enquanto o mundo considera o que tudo isso significaria”, afirma Wald.

Perspectiva de demanda

O mercado do petróleo pode ter o seu ano “pós-pandemia” em 2022, já que muitos esperam que a demanda recupere 100% dos níveis pré-Covid.

Num relatório recente, a EIA mencionou que prevê um certo “conforto” no mercado mundial de petróleo, antecipando que a oferta deverá melhorar face a melhores condições de demanda. No entanto, fatores como os citados acima podem voltar a pressionar os preços de energia.

Fonte: Site Investing | Data da publicação: 31/12/2021

Deixe uma resposta